Demência ou depressão? Há riscos associados ao diagnóstico errado

Os sintomas da depressão e demência são frequentemente confundidos. O problema? Atraso no diagnóstico de onde provém o apoio necessário ao doente.

A demência, que advém do avanço da idade, traduz-se em perda de memória, confusão, alterações da personalidade, apatia e isolamento, ou seja, um conjunto de sintomas que causam o declínio no funcionamento do seu humano.

Este é um aspecto comum e esperado em idosos a partir de uma certa idade, que justifica um próximo acompanhamento a estes indivíduos. Contudo, por ser comum, muitos são os especialistas que confundem demência com depressão – um problema psicológico de difícil reconhecimento, principalmente numa idade mais avançada que propicia à confusão entre estes sintomas, é o que alerta a Unidade Psiquiátrica Privada de Coimbra (UPPC).

Além disso, muitos são os que negam os sintomas de depressão como “perda de apetite, falta de interesse, energia e motivação para atividades sociais, ansiedade, sentimento de inutilidade, perturbações frequentes do sono, sintomas de culpa e baixa autoestima”, como enumera Joaquim Cerejeira, diretor clínico da UPPC.

A alertar para este comum erro, a unidade psiquiátrica aponta para a importância de consultas de gerontopsiquiatria a todos os idosos com “sintomas emocionais, comportamentais ou cognitivos associados ao envelhecimento”. Com este acompanhamento por parte de um psiquiatra e equipe multidisciplinar, prevê-se diminuir o atraso no diagnóstico certo, que surge como primeiro passo para tratar o problema.

Fonte: https://www.noticiasaominuto.com