50% dos casos de licença médica no trabalho tem como causa transtornos emocionais/ mentais

Compartilhe
Share on facebook
Share on whatsapp
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram

Estima-se que 450 milhões de pessoas no mundo sofram com algum tipo de transtorno mental. Os dados são da Organização Mundial da Saúde (OMS), que afirma, ainda, que a maioria dos casos não é tratada ou sequer identificada. Segundo a Superintendência de Perícia Médica e Saúde Ocupacional da Secretaria de Estado de Saúde (SES), as doenças mentais representam cerca de 50% das licenças médicas concedidas aos servidores. Entre as patologias mais frequentes estão a depressão, ansiedade, fobia e síndrome do pânico.

– Os transtornos mentais se tornaram a principal causa de incapacidade dos profissionais devido à influência de agentes estressores, como o trânsito, o fluxo e a quantidade de trabalho, a poluição e a violência. O trabalho da perícia consiste em avaliar se determinada doença torna o paciente incapaz de realizar sua atividade profissional. Em alguns casos, a pessoa pode ser realocada para outro setor -, explica o superintendente de Perícia Médica e Saúde Ocupacional, Eduardo Santos.

Transtornos mentais são qualquer anormalidade, sofrimento ou comprometimento de ordem psíquica ou mental, que podem comprometer o desempenho da pessoa na sua vida social, pessoal e profissional. A doença pode ser desencadeada por diversos fatores que interagem entre si. Entre eles, estão fatores sociais, como o trabalho; os psicológicos, como medos e perdas; e os fatores biológicos, doenças do corpo que podem desencadear transtornos mentais, entre elas o câncer e o HIV. Um fenômeno que pode acontecer hoje em dia é a co-morbidade de transtornos mentais, ou seja, uma pessoa poder ter ao mesmo tempo diferentes transtornos, como o alcoolismo e a depressão.

– Qualquer ser humano, ao longo de sua vida, poderá ter um transtorno mental. No entanto, a saúde mental não recebe a mesma atenção e importância dadas à saúde física -, esclarece o médico psiquiatra da área técnica de Saúde Mental da SES, Carlos Eduardo Honorato.

O diagnóstico é realizado com base em uma série de sinais e sintomas que devem ser recorrentes e que causem perturbação da homeostase pessoal, em uma ou mais esferas da vida. É fundamental consultar um profissional capacitado aos primeiros sinais e sintomas. Através do diagnóstico e intervenção precoce do problema, o paciente tem mais chances de cura. Caso contrário, o problema pode se tornar crônico, o que prolonga o seu tratamento.

Os tratamentos variam de acordo com a natureza de cada caso. No entanto, baseiam-se em dois pilares fundamentais e complementares: o farmacológico, com medicamentos, e o psicoterapêutico, com diferentes tipos de terapia, que vão desde as comportamentais, que utilizam técnicas como a dessensibilização e o confronto com o problema, até as psicanalíticas, que analisam a partir do significado simbólico dos sintomas para cada paciente. Caberá ao profissional de saúde indicar o tratamento adequado para a recuperação da saúde mental do paciente.

Exemplos de transtornos mentais:
– Esquizofrenia
– Transtorno de ansiedade
– Depressão
– Fobia
– Síndrome do pânico
– Alcoolismo
– Dependência química (substância ilícitas e proibidas).

Parece que um número muito grande de pessoas apresenta dificuldade de permanecer no ambiente do trabalho em função da falta de atenção a saúde mental, num programa amplo de investimento em qualidade de vida.

Volto a bater na mesma tecla em que temos investido em qualificação, em produtividade, em tecnologia e esquecido da massa humana. Esse corpo que é formado de sentimentos e emoções, que não suporta mais se ver ultrajado e sobrecarregado como uma máquina que pode ser descartada a qualquer momento.

É preciso rever princípios e valores antes que se torne tarde demais para nossa raça, precisamos fazer escolhas, e talvez entre elas renascer como homens e não como máquinas.
matéria :http://www.saude.rj.gov.br/imprensa-materia-especial/6843-transtornos-mentais-sao-a-maior-causa-de-licencas-medicas-no-trabalho

Deixe seu comentário