Depoimento: Osho sobre o uso de maconha

“Osho, quando eu fumo maconha, eu sei quem eu sou. Eu sinto Deus dentro de mim. Eu o vejo em todo mundo. Eu converso com a grama, eu converso com as flores, e elas me respondem. Eu me sinto feliz, completamente contente. Mas eu descobri que quando fumo eu sinto uma pressão em minha cabeça, que me preocupa. Eu não sei se eu devo fumar ou não, mas isto me dá uma grande esperança quanto ao futuro. Ao fumar maconha, eu tenho visões de onde eu gostaria de estar.”

OSHO: (Silêncio…) Isto é apenas ilusório e não uma verdadeira esperança. A coisa toda é uma ilusão química e a mudança química pode estar lhe dando a pressão na cabeça, porque toda essa coisa acontece no seu sistema nervoso. Isso pode lhe dar uma pressão, que é uma simples indicação para parar com isto. Isto pode ser perigoso mais tarde: pode destruir alguns nervos essenciais do cérebro. Isto é destrutivo, é um sonho de custo elevado. Ele é bonito, mas mesmo que um sonho seja bonito, ele é um sonho, e pela manhã você estará de volta à realidade. E seu custo é muito alto.

Se você usar por muito tempo, isto fará a sua inteligência deteriorar. As pessoas que usam maconha ou coisas semelhantes por longo tempo tornam-se idiotas. A inteligência delas perde a argúcia, porque é danoso ter a pressão química nos nervos todos os dias. E você não está alcançando nada! Eu não estou preocupado com o custo. Se algo verdadeiro estivesse sendo alcançado, então qualquer que fosse o custo valeria a pena. Mas você não está ganhando coisa alguma em troca – apenas uma ilusão.

Se quando usa maconha, você sabe quem você é, isto não tem qualquer importância. Você tem que saber quem você é quando está alerta, consciente, completamente natural, sem pressão alguma criando coisas em você. É aí que você tem que saber o que você é. Para tornar-se iluminado é preciso que seja de uma maneira muito comum, só então a iluminação é verdadeira. Pode-se encontrar atalhos, mas todos os atalhos são falsos. Não existem atalhos para a realização. Atalhos apenas criam pequenos circuitos dentro de você e libera sonhos e imaginação. Isto não é bom para você, nem para ninguém. E esta pressão está indicando que isto está indo profundamente nas suas células cerebrais. É melhor parar o mais rápido possível.

Criar uma experiência que não é seu estado natural, não tem qualquer utilidade. Ela não lhe dá esperança. Ela simplesmente destrói sua vida e suas oportunidades de se tornar alerta e consciente da realidade como ela é. Não há qualquer necessidade de buscar Deus nas árvores. Se você puder ver as árvores como elas são, já terá percebido tudo. Por que impor Deus? Você não precisa ver Deus em quem quer que seja. Se você puder ver a pessoa real, ali de pé, isto é o suficiente. Deus simplesmente significa realidade, a realidade comum que circunda você. Veja a verdade da árvore. Este é o Deus da árvore, a sua cor verde, a sua flor, a sua alegria, o seu enraizamento, a sua força e fragilidade. Veja a verdade dela sem trazer qualquer noção de sua cabeça.

Qualquer ideia que algo sugerir vai começar a funcionar e você começará a projetar. Assim, aconteceu de pessoas que eram contra as drogas, fazerem uso delas e só conhecerem o inferno e pessoas que eram a favor delas, usarem as mesmas drogas e conhecerem o céu. Depende de você. A droga não lhe dá coisa alguma. Ela simplesmente faz de você um tolo. Você entra num certo tipo de infantilidade, numa imaginação, na sua faculdade de sonhar. É isto o que a droga faz. Agora fica por sua conta liberar o sonho. Você consegue liberar qualquer sonho que queira. Se você quiser ver monstros, dragões e demônios, todos pulando sobre você e tentando matá-lo, você pode ter isto. A escolha é sua. Ou você pode ver Deus e anjos dançando e cantanto, e Jesus com seus apóstolos sentados ao lado. Isto fica por sua conta, é o seu sonho.

As drogas podem apenas ajudar a sua faculdade de sonhar para que ela funcione totalmente. É como se você manuseasse um projetor. O filme tem que ser fornecido por você. A eletricidade no projetor não consegue criar o filme. A eletricidade no projetor só consegue fazer com que ele projete o filme que você forneceu. O filme tem que ser fornecido por você e o projetor estar ali. Daí, ele começa a projetar. Se você quiser ver o inferno, você terá que ter um filme de inferno. Se você quiser um filme do céu, ele aparecerá na tela. Isto é exatamente o que a droga faz. Ela simplesmente libera a sua capacidade de sonhar. O sonho começa a funcionar. Mas isto é apenas desperdício de tempo… E a um custo muito grande.
(…)
Para ver a realidade, a pessoa tem que estar completamente normal, sem usar coisa alguma, nenhuma vontade, nenhuma postura. Ela tem que estar como ela é. Levará um longo tempo para ver a verdade da árvore, mas esse tempo não é um desperdício. Assim, não fique apressado, não queira rapidez. Sim, as drogas dão rapidez, mas não seja rápido, não seja apressado. Seja paciente e permita que as coisas cresçam devagar. Todas as coisas verdadeiras crescem vagarosamente: elas têm o seu próprio tempo. Algo tem que amadurecer em você. E esteja satisfeito e contente com o que estiver disponível neste momento. Não peça por mais. Eu sei que se você já fez uso de drogas, isto se torna muito difícil porque a droga o atrai. Sem qualquer esforço de sua parte, alguma coisa começa a acontecer. Assim, por que se preocupar com algo mais? Por que meditar e por que estar consciente, se a droga pode desencadear o processo imediatamente?

A droga tem sido usada ao longo do tempo. Ela não é algo novo. No ocidente ela é algo novo, mas no oriente ela tem sido uma das práticas mais antigas. Mas as pessoas que tomaram drogas por séculos não chegaram a lugar algum. Se você quer realmente ver o que existe, você terá que parar com todo tipo de projeção. Isso será enfadonho no começo, não será tão encantador, não terá aquela sedução, aquele fascínio. Mas não há necessidade de fascínio, de sedução. A pessoa deve satisfazer-se com a realidade comum. O que há de errado com as árvores serem como árvores, e os homens como homens e as mulheres como mulheres?

Se você puder fazer isto por seis meses, sem as drogas, simplesmente vivendo com o comum, sem qualquer desejo pelo extraordinário, mais cedo ou mais tarde você começará a ver a verdade das coisas comuns. E no muito comum, o extraordinário está escondido. Mas você tem que chegar até ele através do comum. O comum é a porta para o extraordinário. A minha sugestão é que você pare com a droga. Pare completamente com ela.

OSHO – The Open Secret

Osho: Tudo o que você não sabia sobre as drogas e meditação
https://youtu.be/e_rcGeqRfPw

Comments are closed.